O BOTICÁRIO E O MAU CHEIRO DE ALGUNS RELIGIOSOS

Na semana passada a perfumaria O Boticário lançou na internet e na televisão sua nova campanha com peças publicitárias em divulgação do Dia dos Namorados. Nada de anormal, não fosse o fato de que o vídeo traz aparentemente dois casais homossexuais abraçando-se, presenteando-se e sorrindo um para o outro. A trilha do VT é a marcante “Toda forma de amor” de Lulu Santos. Isso bastou para que se desencadeasse uma campanha, principalmente por parte dos evangélicos, de “dislike” no vídeo no Youtube e boicote aos produtos da perfumaria.
Lembro que um dia após o lançamento do vídeo recebi de uma amiga via Whatsapp uma mensagem que falava sobre a campanha do boicote. Eu achei graça e ignorei a mensagem. Como sou uma pessoa que vive muito feliz sem o feed de notícias do Facebook, acabei não acompanhando as primeiras discussões sobre o assunto nas redes sociais. No entanto, para todo canto que fui nos dias subsequentes, alguém sempre perguntava minha opinião ou dizia que tinha aderido ao boicote.
Então resolvi pesquisar mais sobre o assunto. Logo de cara me deparei com um vídeo do Silas Malafaia incentivando a campanha e o boicote. Seria cômico se não fosse trágico. É no mínimo falta de inteligência aderir a um boicote proposto ou incentivado por um senhor que vende a R$900,00 uma Bíblia que custa pouco menos de R$90,00 para ser produzida. Talvez o Malafaia não use produtos do O Boticário porque lá não se vende óleo de peroba.
Particularmente, vejo a prática homossexual como pecado. Ainda que eu tenha vários amigos homossexuais, sempre deixei claro a eles que a Bíblia é muito clara a respeito da pecaminosidade da prática homossexual. E isso não é homofobia, é simplesmente um conceito formado a partir de uma cosmovisão bíblica. Quando uma pessoa é escrava do pecado, o que ela precisa é ter um encontro com o Cristo ressurreto que liberta o homem do poder do pecado.
Dito isso, o que devemos perceber é que a intenção do O Boticário é simples: vender seus produtos para os homossexuais. Vi comentários de pessoas dizendo “não quero que meus filhos vejam isso, e se virarem homossexuais?”. Eu apenas acho que é muito falta de confiança na educação passada acreditar que um vídeo de 30 segundos que mostram dois homens e duas mulheres se abraçando vai definir a orientação sexual de um filho. Veja só: não faz muito tempo a Bispa Sônia lançou o perfume “De bem com a vida” dizendo que aquele era o “cheiro de Jesus”. Ela é uma oportunista que quer vender para o povo consumidor do gospel, tanto quanto O Boticário que levantou a bandeira do respeito à diversidade apenas para vender para a população gay. Quem é mais safado e oportunista? Obviamente que é a bispa, pois a perfumaria não está vendendo nada “em nome de Deus”. Essa semana um amigo me mandou um vídeo do famoso André Valadão falando que a Claro está interessada e apoiando a evangelização do nosso país. Oportunismo barato! Tanto do Valadão, quanto da bispa Sônia e também do O Boticário.
Muita gente quer boicotar O Boticário por apoiar a diversidade, mas não boicota as empresas que estão na lista de denunciadas por trabalho escravo. A luta dos evangélicos contra a causa homossexual é, no mínimo, uma falta de percepção das pautas mais urgentes, como a fome, o trabalho escravo, a corrupção e etc. Nunca recebi corrente no Whatsapp de boicote à fome, ao desemprego, à má-distribuição de renda. Em um nível mais teológico, nunca recebi corrente no Whatsapp uma campanha de “boicote ao meu ego”.  De fato, a pessoa deve ser muito infeliz pra ver alguém vivendo um momento de afeto e alegria com outra pessoa e vociferar contra.
Para aqueles que desejam boicotar as marcas que apoiam a causa homossexual e a diversidade aqui vai uma pequena lista: Apple, Budweiser, Coca Cola, Disney, Facebook, Ford, Google, Instagram, Microsoft, Nike, Oreo, Pepsi, Smirnoff, Starbucks. Partiu boicotar?
Para concluir
Em textos desse tipo que são divulgados aqui no blog, muitas pessoas comentam que “esse texto não edificou em nada” ou “não julgue, ore por eles” e etc. Meu objetivo é sempre causar a reflexão. Vejam só: os preceitos mais fundamentais do evangelho, como amar o próximo como a si mesmo, cuidar dos pobres, fazer justiça, perdoar os inimigos, não podem e nem devem ser reduzidos uma discussão moral de pode e não pode. Quando pegamos as informações privilegiadas que Deus nos dá e que chamamos de mandamentos e queremos impor goela abaixo dos que deliberadamente escolheram não “ser de Deus”, perdemos de vista qual é a nossa missão de fato na terra, que Robinson Cavalcanti definiu como “manifestar aqui e agora em maior e melhor densidade possível o Reino de Deus, que será consumado ali e além”. Como será esse reino? Um lugar onde toda lágrima será enxugada, a morte não existirá, não mais pranto e nem clamor e muito menos a dor (Ap. 21:4). E nisso que devemos viver, manifestando esse reino do amor, da justiça e da glória de Deus aqui na terra!
FONTE: MINHA VIDA CRISTà- ESCRITO POR: LUCIANO BRUNO