NÃO TRANSFORME SEU RELACIONAMENTO NUMA QUEDA DE BRAÇO


Reza a lenda que existem homens que tem medo de mulher segura. Que correm dez léguas quando veem uma moça que divide a conta do restaurante, sai sozinha sem precisar de guarda-costas, dorme o sono dos justos mesmo que não haja uma conchinha aconchegante e se equilibra no salto agulha sem precisar de uma mão firme que a auxilie.

Desconfio – apenas desconfio, porque estou longe de sabê-lo de fato – que os únicos homens que perpetuam este discurso são aqueles que não compreendem o próprio potencial. Um homem inteligente não se sente atraído pela mulher que se contenta em estar “por trás” dele. Ele compreende que grandes mulheres caminham ao lado. Um homem de verdade não se importa com o fato de sua mulher ganhar mais – porque ele compreende uma verdade tão simples quanto ininteligível para alguns: relacionamentos não são olimpíadas.
Ninguém se relaciona para provar quem tem mais beleza, mais dinheiro ou mais autoconfiança. Não se trata de uma corrida pra saber quem se importa mais, quem precisa mais, quem valoriza mais. Um companheirismo genuíno não deixa espaço para tais mediocridades.

Leia também:

- O CÉU EXISTE SIM: 

Ele compreende a liberdade de sua companheira para ser quem ela é. Veja bem, ele não concede esta liberdade – porque esta já pertence a todos nós, homens e mulheres, por direito – ele apenas a compreende, coisa que muitos simplesmente não conseguem. Um homem verdadeiramente admirável não se importa em marcar território. Ele não liga se sua companheira sai sozinha, bebe ou mostra parte do corpo. Ele compreende, sobretudo, que se importar não vai adiantar, porque nós pertencemos a nós mesmos. Todos nós.
Grandes homens não se importam se suas companheiras são belas, ou admiradas, ou desejadas demais. Ao contrário, sentem-se felizes por terem sido escolhidos – desde que respeitados, evidentemente. Eles não fazem questão de esconder suas companheiras dos olhos gaviões, e nem de exibi-las como troféus – eles apenas desfrutam da sorte de um amor tranquilo, em que cada um se deixa a vontade, em que cada um compreende ao outro como a si mesmo.
São lamentáveis estas pessoas que vivem tentando conter seus companheiros, vivem tentando evitar que eles conheçam a vida porque, conhecendo-a, descobrirão o quanto há coisas infinitamente melhores do que a relação enfadonha que vivem. Uma pessoa que confia no próprio taco – literalmente, em alguns casos – certamente será sempre a prioridade. E se não o for, saberá prosseguir, com a certeza de que um dia o será para alguém.
Os homens que admiramos querem para nós a mesma liberdade que querem para si. A mesma evolução, o mesmo sucesso, os mesmos direitos. Os homens que admiramos lutam conosco. Não nos travam o riso, não nos ajeitam o vestido, não nos controlam o porre ou o vocabulário, não se sentem no direito de nos exigir comportamento padrão. Eles apenas nos deixam estar.

Chegará o dia em que medir forças com a nossa liberdade será um fiasco na vida amorosa de qualquer pessoa. Porque nós, cada vez mais, optamos por nós mesmos. Portanto, se queres ser este homem, que nos acelera o coração e nos instiga os sentidos, ouça o bom conselho do Chico: deixe a menina sambar em paz.
Escrito por: Nathalí Macedo