A ARMADILHA DE BUSCAR UM NOVO AMOR PARA CURAR SUAS FERIDAS


Escrito por Karina Oliveira, colaboradora do Sábias Palavras.
 Escutamos todos os dias que o amor é a única forma de cura de todas as dores, e com isso buscamos incessantemente alguém para chamarmos de amor e ficamos tão focamos no amor romântico que esquecemos que existem várias outras formas de amar e ser amado.
Portanto, esta busca incessante de ser amado e de ter alguém para chamar de seu, pode trazer armadilhas que possivelmente trarão grandes frustações e decepções, porque sempre vai ter aquele ser ardiloso, charmoso e sedutor, que também não sabe ficar só e que emenda um relacionamento no outro para sobreviver. E essa nova relação já começa comprometida, porque cada relação que se finda traz suas dores e seus dessabores e ai o relacionamento inicia com toda a carga energética e os pontos pendentes da relação anterior, cujo termino está fresquinho, mas que o ser que está chegando não se deu o tempo necessário, tampouco se deu o trabalho de olhar e quiçá solucionar aquilo que não funciona ou que é destrutivo.
E ai começa o enredo da sua nova relação com toda euforia que cabe ao inicio, em que tudo é lindo e enxergamos só as qualidades dos outros e seguimos com: amor daqui, amor de lá, que bom que nos encontramos, você é a mulher/homem da minha vida e assim vão construindo sonhos e planos sobre um terreno sem qualquer fundação sólida.
Passada a fase da lua de mel da relação começam aparecer àqueles temas e dinâmicas que não foram dadas atenção no seu tempo devido, porque afinal de contas lidar com os aspectos sombrios da personalidade e da criança ferida querer muita coragem, então é mais fácil jogar a sujeira embaixo do tapete e ir brincando de casinha com novos parceiros, na tentativa frustrada de curar suas feridas internas.
São nestas buscas e ânsias de ter um companheiro, ser amado e acolher sua criança ferida através do outro, que você se envereda em relacionamentos problemáticos e destrutivos, que possivelmente terá um término duro, frustrante e dolorido.
Aí você se vitimiza e diz: eu não tenho sorte no amor mesmo, relacionamento não é para mim mesmo. Claro que é, o amor e as relações é um direito de todos, pois é através deles que crescemos e nos fortalecemos, mas precisamos ter a coragem, após cada separação, de olhar o que a experiência te trouxe de bom e de ruim, de doce e de amargo. E a partir desta reflexão, que é intima e individual, que você pode curar suas feridas, suas dores, sua carência, transmutar-se e nutrir-se do seu amor próprio, para ai sim entregar-se de peito aberto para uma nova relação mais real, mais construtiva, sem fantasias e expectativas de salvação!
Você é sua única e real salvação de si mesmo, somente você pode se curar, afinal a capacidade de amar está dentro de você e começa por você mesmo!!!