AMAR EXIGE GENEROSIDADE, TROCA E CUMPLICIDADE


Quando você observa a sua história e percebe que o tempo sempre se encarrega de colocar tudo no seu devido lugar, é sinal de que nada (nada mesmo) acontece por acaso. E sempre foi assim.
Tenho aprendido muito nestes meses até aqui e, admiravelmente, me surpreendido com as boas novas que as experiências – de todos os níveis – estão me trazendo. Mais do que idealizar reações ou exigir comprometimento, passei a me envolver com todo e qualquer sentimento que me consente lucidez. E, olhar com mais sensibilidade o universo desta transição toda, está sendo um passo e tanto.
Hoje, mais do que qualquer tempo, aprendo o quanto as ligações que firmamos com o outro, nem sempre se solidificam como deveriam, ou melhor, como queríamos que fossem. Materializamos padrões que só existem dentro do nosso pequeno universo e – além do salto no escuro – nos frustramos quando somos pegos de surpresa pelas emboscadas da vida. E a queda pode ser fatal.
Amar exige generosidade, troca e cumplicidade. Sem essa tríade, nenhuma relação se mantém acesa, nada floresce. 
Sabe, neste intervalo de períodos que ando cruzando, tropecei em algumas verdades que me fizeram compreender como não podemos investir amplas esperanças em relacionamentos que logo ali, na primeira curva, nos atentam para a ruptura, o aniquilamento, o mergulho no vazio.
Falhamos, sim, e estamos sujeitos a isso o tempo inteiro, mas, quando encontramos pessoas que persistem concomitantemente em errar conosco, é um passo para desacreditar em muitas coisas. Especialmente nessa mania infundada de que temos que medir carências com o outro. De querer ele como parte nossa.
Sei que a gente precisa (e quer) de gente por perto, mas, por qual ângulo vou estreitar vínculos com o outro se o outro só machuca, só magoa e só destrói tudo o que já foi vivido até ali?
Agora, estou cedendo espaço para me conectar com quem, de fato, me acresce. Sem gigantescas projeções, a vida tem me trazido uma porção de respostas, sem que pergunta nenhuma precise ser feita.