A lembrança faz a gente ter saudade.


Lembrança é o que a gente carrega, de tudo o que não coube no coração…

Você é foi o meu MM’s amarelo de alegria, o meu pão de queijo quentinho em uma noite fria. Você foi a minha caixinha repleta de cartas, a minha falta de sono na madrugada. Você foi a minha recordação mais doce, a coxinha mais gostosa que eu já comi. Você foi o meu sundae com um pouco mais de calda, o meu pudim com excesso de açúcar. Você foi aquela canção de ninar, aquela voz gostosa de escutar. Você foi as minhas férias esperadas, a minha melhor companhia de mãos dadas. Você foi uma terça-feira de carnaval em plena segunda-feira de paixão. Você foi o meu feriado prolongado, o meu filme preferido que nunca saiu de cartaz. Você foi aquela oração mais sincera, o meu sorriso mais aberto e a minha maior crença de que a esperança é a última que morre.
Às vezes precisamos ficar longe, para entender que deveríamos ter mantido certa cautela desde o começo. Mas em outros casos, a distância é responsável por nos tacar na cara tudo o que tínhamos em nosso controle e conforto, mas deixamos escapar entre os dedos.
Se alguém encontrar um parafuso, é meu.
Ele se despregou quando rompemos o que prometemos que seria para sempre. Sonhamos, planejamos, vivemos, conversamos e idealizamos um futuro de casamento. Escolhemos os nomes dos supostos filhos, discutimos sobre a cidade em que iríamos morar, decidimos até a raça dos nossos cachorros e gatos que adotaríamos. Tivemos uma DR sobre o lado da cama de casal que nunca existiu, também sobre quem lavaria a louça depois de uma tarde cansativa no parque. Dividimos as funções mais chatas, e eu te convenci a ficar com a parte das fraldas. Imaginamos quem chegaria mais cedo para fazer a janta, e quem ficaria sozinho aos sábados de trabalhos. Escolhemos o nosso cardápio, entramos em um acordo sobre o melhor vinho e nos encaramos quando o vaso de flores caiu no chão para disputar quem limparia a sujeira. Tivemos uma crise imaginária sobre a primeira organização do banheiro, estipulamos um cronograma para lavar e passar a roupa. Agendamos as tarefas e colocamos na parede, enquanto não tínhamos a nossa geladeira para pregar os recados… Tudo o que sempre tivemos foi muita vontade, mas hoje eu percebo que nada adiantou tantos planos.
Existem algumas pessoas que entram em nossas vidas, talvez por poucos motivos, mas deixam grandes lacunas quando partem. Pessoas que deixam marcas, outras apenas o gosto em nossos lábios. Tem as que nos marcam através dos perfumes, dos olhares ou do sorriso. Pessoas que falaram, mostraram ou nos fizeram sentir. Pessoas que deram o que tinham, lutaram pelo que faltava e correram atrás do que queriam. Pessoas que compartilharam com a gente os próprios sonhos, outras que se encontraram diante do que sempre almejamos. Pessoas que nos ensinaram, nos decepcionaram, nos enganaram, nos fizeram crescer e perceber o quanto é difícil o relacionamento em si. Pessoas que erraram e se arrependeram, outras que nunca pediram desculpas. Pessoas que se entregaram e nos proporcionaram um conto de fadas, outras que de nada agregaram. Pessoas bonitas, estranhas, feias, quietas, engraçadas, comprometidas, responsáveis, cúmplices, mentirosas, despreocupadas, indiferentes. Pessoas que não sabiam o que queriam, outras que só olhavam para o próprio umbigo. Pessoas que despertam o melhor que possamos ser, outras que não valorizam os nossos diferencias. Pessoas marcantes, outras insignificantes.
Existem pessoas, e existe você.
Eu sei que você não vai me responder, também não sei se vai ler esse meu desabafo. Mas eu quero que você saiba que eu te amo, muito. Eu fui dormir mais cedo ontem, não por sono, mas porque eu estava sentindo a sua falta. Sonhei com você e me senti por perto, como nos velhos tempos. Não importa se foi anteontem, no mês passado ou há alguns anos a última vez em que nos falamos ou nos vimos. Eu ainda me lembro de cada detalhe, acredite. Eu só queria que você soubesse, que hoje eu acordei feliz por abraçar o travesseiro e imaginar o seu corpo colado no meu. É isso, eu ainda não te esqueci, e não te esquecerei.
Precisamos apenas esperar para irmos. Um dia nos encontraremos e eu não precisarei mais das memórias, e sim de horas com você. Acho que a única razão de sermos tão apegados as memórias, é que elas não mudam, mesmo que as pessoas tenham mudado.
Queria escrever um texto de saudade, mas sem você eu não tenho inspiração.
Bom dia!
Se cuida, ou me deixa te cuidar…
Escrito por: Jéssica Pellegrini