O que a Igreja diz sobre sexo oral?

Antes de tudo, é preciso dizer que nunca encontrei, na Bíblia ou em algum documento oficial do magistério da Igreja, a expressão sexo oral ou algo que trate do assunto.
Penso, então, que se deva entender por “sexo oral” a realização do ato sexual do casal por meios orogenitais, chegando-se ao orgasmo desta forma. Mais explicitamente falando, é o emprego da boca e da língua que, em contato direto com o órgão sexual do parceiro, pretende levá-lo ao orgasmo. Realmente isso não tem sentido, pois não foi assim que Deus programou a vida sexual do casal. É antinatural.

A moral católica é baseada nisso: o que é natural é moral; o que não é natural, é imoral. O ato sexual é a “liturgia” conjugal, onde o casal celebra o amor e gera os seus filhos. Assim, há duas dimensões na vida sexual: unitiva e procriativa.
É evidente que pelo sexo oral, como descrito acima, além do mais, fecha as portas para a concepção e anula-se uma das dimensões do ato sexual. Isso mostra que esse tipo de atividade sexual deve ser descartada.

E sobre o sexo anal?
Por razões, muito mais graves ainda, o tal “sexo anal” não deve ser realizado por um casal cristão; é totalmente antinatural e imoral. Creio que se pode admitir como lícita alguma liberdade sexual para o casal, enquanto se está no “prelúdio” da relação, naqueles casos em que o parceiro precisa desse estímulo para chegar ao orgasmo junto com o outro. Mas não se pode realizar o ato sexual de maneira oral por ser contra a ordem da natureza. O casal não precisa dessas extravagâncias para ser feliz na vida sexual.


Não se deve confundir “sexo oral” com o “prelúdio sexual”
Não se deve confundir “sexo oral” com o “prelúdio sexual”, ambos completamente diversos um do outro. O prelúdio, ou preparação para o ato sexual, com razão, além de lícito, é muito importante. E é ele, através de todo o contexto de carinho, que diferencia a relação sexual humana e a animal. Sem as carícias, os toques e as manifestações de afeto que precedem a consumação do ato sexual, este se limitaria a uma relação puramente animal.

De modo geral, as esposas precisam de um bom prelúdio sexual, com carícias até mesmo orogenitais, antes da penetração, para que possam chegar ao orgasmo. O marido pode e deve intensificar ao máximo as carícias, os toques, os carinhos e as palavras, no prelúdio, para que a esposa chegue ao orgasmo na penetração. É o amor que deve levar o marido a essa atitude, e não apenas a busca de um prazer sem limites.

Não se pode realizar a atividade sexual por meios não próprios para ele. E é exatamente por isso que, tanto quanto o sexo anal, o sexo oral é ilícito; é algo totalmente antinatural.
Fonte: Canção Nova