8 versos do Dalai Lama para controlar a nossa mente

O Dalai Lama Langri Tangpa (1054-1123) escreveu há mais de 800 anos Os Oito Versos para Treinar a Mente (Loyong Tsik Guiema). Com as suas palavras, nos oferece meios para neutralizar os nossos comportamentos e pensamentos negativos, os quais nos levam a experimentar dor e sofrimento. A seguir, lhes apresentamos 8 versos do Dalai Lama cujo propósito é nos fazer desfrutar ao máximo a nossa saúde emocional e física.
“Todo ser humano, caso se proponha, pode ser o escultor do seu próprio cérebro”
– Santiago Ramón y Cajal –

Versos do Dalai Lama

Verso 1

Pensando que todos os seres que sentem
são ainda mais valiosos do que a joia que satisfaz os desejos, 
com o fim de alcançar o supremo propósito, 
para que eu possa sempre considerar-los preciosos.
Todos os seres são valiosos, acima de qualquer interesse, sentimento ou realidade.Cultivar o amor e a compaixão pelo mundo nos garante a paz interior, emoções saudáveis e amor pela natureza.

Verso 2

Onde quer que eu vá, com quem quer que eu esteja, 
possa eu me sentir inferior aos outros e, 
do mais profundo do meu coração, 
considerar todos sumamente preciosos. 
Temos que desenvolver a nossa capacidade de sermos empáticos e altruístas com o nosso entorno. A chave está em trabalhar o nosso eu, superando as más atitudes quando perdemos algo. Tudo na vida é ensinamento.

Verso 3

Que seja eu capaz de examinar a minha mente em todas as ações, 
e no momento em que aparecer um estado negativo, 
que põe em perigo a mim mesmo e aos outros, 
possa eu enfrentá-lo e afastá-lo.
Sermos conscientes de nós mesmos e nos conhecer profundamente nos permite dissolver sentimentos apaixonados ou atos turbulentos. O que mais devemos trabalhar é a ira, cuja base é o medo. Esta, sem dúvida, é a emoção mais perigosa e destruidora. Devemos trabalhar duramente a nossa capacidade para controlá-la.

Verso 4

Quando vir seres de disposição negativa 
ou os que estão oprimidos pela negatividade ou pela dor, 
possa eu considerá-los tão preciosos quanto um tesouro achado, 
pois são difíceis de encontrar.
Assim como podemos aprender com as emoções negativas que nós desenvolvemos, podemos aprender e apreciar as pessoas que estão invadidas por esses sentimentos.Observar as personas é uma grande maneira de pôr à prova a nossa evolução emocional.

Verso 5

Quando outros, impulsionados pelos ciúmes, 
me ofendem e me tratam de outros modos injustos, 
possa eu aceitar a derrota sobre mim, 
e oferecer a vitória aos outros.
Cada um de nós domina os seus silêncios e as suas palavras. A nossa autoestima está além do que movem o ciúme e a inveja. Além disso, a capacidade de perdoar nos ajuda a subir mais um degrau na nossa maturidade emocional.

Verso 6

Quando uma pessoa a quem ajudei, 
ou em quem depositei todas as minhas esperanças 
me fere muito injustamente, 
possa eu vê-la como um amigo sagrado.
A nossa paciência é posta à prova quando um amigo não sabe valorizar bem o que lhe pudemos oferecer. A natureza humana é assim e nós, melhor do que ninguém, podemos compreendê-la.

Verso 7

Em suma, que eu possa oferecer, direta e indiretamente, 
toda alegria e benefício a todos os seres, 
e que seja capaz de tomar secretamente sobre mim toda a sua dor e sofrimento.
Dar o melhor de nós e compartilhar as nossas melhores qualidades com os que nos rodeiam nos ajudará a compreender o estado mental e a virtude dos outros.

Verso 8

Que não se vejam manchados pelos conceitos 
dos oito interesses mundanos 
e, conscientes de que todas as coisas são ilusórias, 
que possam eles, sem obstinação, ver-se livres das ataduras.
O que nos acontece é, geralmente, efêmero e fugaz. Por isso, sermos conscientes do caráter ilusório dos interesses humanos nos ajudará a nos desfazermos das coisas que nos rodeiam, deixando de aferrar-nos ao que mingua o nosso interior.

Fonte: Loyong, Para treinar a mente, S.S. o XIV Dalai Lama.