O INICIO DO GOVERNO MICHEL TEMER


*Dolane Patrícia O Brasil vive um momento histórico! Para alegria de uns e desespero de outros. Após o fim da votação no Senado, da admissibilidade de impeachment da presidente Dilma Roussef, Michel Temer assumiu interinamente a Presidência do Brasil. Se foi ou não golpe, a questão é: temos um novo Presidente da República. Michel Miguel Elias Temer Tulia, 75 anos, nasceu na cidade de Tietê, interior de São Paulo, é advogado, filho de dois libaneses: Miguel Elias Temer Lulia e March Barbar Lulia.
Professor universitário, se filiou ao PMDB em 1981, aos 41 anos de idade.
No início dos anos 1990, volta à frente da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, se destacou por derrubar índices de violência. Foi ainda responsável por apaziguar a crise desencadeada na corporação, depois do massacre do Carandiru.
Teve impressionantes seis mandatos como deputado federal pelo PMDB de São Paulo. Sua melhor marca nas urnas foi de mais de 252 mil votos, nas eleições de 2002. Por três vezes foi escolhido presidente da Câmara dos Deputados.
O presidente Michel Temer concedeu uma entrevista a Sônia Bridi, que foi ao ar no Fantástico, “reiterou alguns compromissos do seu discurso de posse; investiu, mais uma vez, na imagem do pacificador; insistiu na necessidade de se respeitarem as instituições e voltou a se dizer um fiel cumpridor do “livrinho”: a Constituição. O presidente reafirmou que não haverá cortes nos programas sociais, mas já se ouviu rumores de que quem recebe o bolsa família precisará trabalhar, para o desespero de muitos!” G1 Muitas medidas já foram tomadas no novo governo. Já houve o corte de aproximadamente 4 mil cargos comissionados e a redução do número de ministérios. Isso sem falar na extinção do Ministério da Cultura. A revolta gerou manifestações em alguns Estados da Federação e alguns artistas ficaram em uma saia justa, já que eram publicamente a favor do impeachment. Após muita confusão, foi recriado o Ministério da Cultura e O novo ministro será Marcelo Calero. Muitos brasileiros não gostaram da atitude do atual presidente em voltar atrás quanto ao Ministério da Cultura. Não se trata de uma crítica ao governo Temer, mas, na atual conjuntura do País, não é negócio pra ninguém ser presidente do Brasil! Bom mesmo seriam novas eleições! Polêmicas não faltam! Muitos afirmaram que há muitos anos não viam na Presidência da República, alguém que falasse o português corretamente. Outros, já sentiam falta de uma primeira dama, agora tem uma “bela, recatada e do lar”. Algumas feministas não param de protestar quanto a ênfase dada ao bom comportamento da nova primeira dama. Curioso é que não falaram muito quando Milena Santos, mulher de Alessandro Teixeira, Ministro do Turismo da ex-presidente Dilma, quanto resolveu publicar fotos provocantes, consideradas de grande intimidade nas redes sociais. Mas, Existem aqueles que estão mais preocupados com a aposentadoria compulsória aos 75 anos de idade. Existem ainda os que sofrem por antecipação e já acham que a poupança de todos serão confiscadas para que o governo tenha dinheiro sobrando para pagar os advogados para os defender da “Lava Jato.” Há ainda a polêmica, da composição de seu ministério ser formado apenas por homens. O presidente interino em sua entrevista ao fantástico citou a chefia de gabinete da Presidência da República, cargo exercido atualmente por Nara de Deus Vieira, para lembrar que há ao menos uma representante feminina na cúpula do governo. Após as polêmicas foi nomeada uma mulher para comandar o BNDS, Maria Silva Bastos Marques. Se com a pressão voltou o Ministério da Cultura e foi nomeada uma mulher para comandar o BNDS, poderia haver algo semelhante com a questão do desemprego do País! Não poderia esquecer a polêmica envolvendo a nova logomarca com a frase “Ordem e Progresso e as 27 estrelas, que simboliza os Estados da Federação. No esboço final, a marca aparecia com 22 estrelas que deixavam de representar os estados do Amapá, Rondônia, Roraima, Acre e Tocantins. A versão desatualizada da bandeira, que contava com 22 estrelas, foi utilizada na época da ditadura militar, período em que os cinco estados eram território nacional, e não Estados. Se já não bastasse a confusão que está o sistema político e econômico do País, o Brasil se depara com o escândalo dos grampos telefônicos! O jornal da Alemanha destacou a questão envolvendo os grampos telefônicos do senador Romero jucá como: A grande bomba do governo Temer. Jornais do mundo todo noticiaram o acontecimento que marcou o início do governo Temer. A saída de Jucá do Ministério do Planejamento, ocorreu um dia depois de o jornal "Folha de São Paulo" divulgar conversa em que ele sugere um "pacto" para barrar a Lava Jato ao falar com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado. O escândalo dos grampos pode custar caro! Já não estava tranquila a situação do País! Como o mundo dá voltas! No Brasil essas voltas são mais rápidas... As questões que rondam o governo Temer, se tornaram destaque de tal forma, que não se ouve mais falar no Juiz Sérgio Moro. Já não podemos dizer o mesmo da Operação Lava Jato. Em meio à turbulência dos grampos, o governo Temer anuncia pacote para retomar o crescimento da economia. Anunciou em dia 24 de maio, as primeiras medidas econômicas que pretende implantar para tirar o país da crise. , dentre elas: adiantar a devolução para os cofres públicos de R$ 100 bilhões da dívida que o BNDES tem com o Tesouro Nacional, a extinção do fundo soberano, criado em 2008 para servir como uma espécie de poupança do governo e resgatar o saldo desse fundo, que é de R$ 2 bilhões. Afirmou também que vai frear novas desonerações para setores da economia e outra medida será o envio de uma proposta de emenda à constituição para limitar as despesas públicas. G1 A grande notícia é que não houve anúncio de aumento de impostos e nem mandou a conta para os trabalhadores, pelo menos inicialmente. Diante disso, é necessário destacar que foram muitas mudanças em um espaço muito curto de tempo, tudo muito rápido, extinção de ministério, recriação de ministério, nomeação de ministro, exoneração de ministro, grampo telefônico, anúncio de pacote econômico...promessas de um futuro melhor! No entanto...
“Verba volant, escripta manente”. (As palavras voam, os escritos permanecem).