Ele tem 7 meses mas parece um recém-nascido, e os pais não aceitam o diagnóstico dado pelo médico


Assim que nascem, bebês são as coisinhas mais frágeis do mundo. São tão pequenos que às vezes mal cabem na palma de nossa mão, como é o caso do pequeno Mathew Riddle III, que teve que lutar muito pela sua sobrevivência após nascer.
O garotinho veio ao mundo de forma prematura. Após 28 semanas de gravidez, os médicos que acompanhavam a mãe de Matthew, Jenevive Cook, perceberam um problema. O menino não estava crescendo ou se desenvolvendo dentro do útero da mãe, e temendo que algo ainda pior acontecesse os médicos decidiram que o trabalho de parto deveria ser realizado.
Matthew nasceu pesando menos de 500 gramas e foi diagnosticado com uma rara condição de saúde, conhecida como nanismo primordial, um transtorno diretamente ligado à microcefalia e que faz com que seu portador, em todos os estágios da vida, tenha o tamanho de seu corpo reduzido.
  1. Foto: WLKY/Divulgação
E os primeiros dias do bebê não foram nada fáceis. Foram 98 dias internado até chegar ao ponto dos médicos quase desistirem de seu caso. Eles afirmavam que o cérebro da criança havia parado de crescer e, portanto, ele não viveria por muito mais tempo.
Mas, a força de vontade de Matthew falou mais alto. Se passaram mais três meses até que um milagre (assim podemos chamar) aconteceu. Um novo diagnóstico havia sido realizado e nele constava uma luz no fim do túnel para o garoto. Ele já apresentava sinais de desenvolvimento.
  1. Foto: WLKY/Divulgação
Ele poderia andar, falar, brincar, enfim, fazer atividades como as de qualquer criança. A única ressalva seria por conta dele ter um tamanho bastante pequeno se comparado a elas. Mas a essa altura, isso não seria problema. O mais importante é que Matthew sobreviveria.
Hoje, o menino está com 7 meses e pesando um pouco menos que dois quilos. É muito pouco, realmente, mas as coisas estão melhorando. Principalmente, se comparado a seus primeiros meses no hospital, quando sequer havia a expectativa que ele viveria.
  1. Imagem: WLKY/Divulgação
Contudo, ele ainda terá uma longo caminho clínico a percorrer. Ele já precisou passar por uma cirurgia para evitar que tenha derrames e as visitas a hospitais são frequentes.
Mas a tendência é que com o tempo, tudo dê certo para o pequeno, que já provou que sua vontade de viver é grande e conta com todo o amor de sua família, que estará sempre por perto para o que der e vier.
via: BestOfWeb