Vigilantes do INSS vão até casa de esquizofrênico e flagra mostra o que eles fazem ao encontrá-lo

Vigilantes do INSS vão até casa de esquizofrênico e flagra mostra o que eles fazem ao encontrá-lo

Não, eles não fazem isso esperando algo em troca. Difícil de acreditar, não?! Ainda mais em um mundo como o de hoje onde só existem pessoas interesseiras. Mas, acredite ou não, não são todos assim.
E estes três vigilantes do INSS no Paraná realmente não são. No mês de dezembro do ano passado, um idoso apareceu para fazer perícia médica para seu auxílio doença, mas ninguém conseguiu atendê-lo por conta de seu cheiro forte.
Ninguém conseguia se aproximar dele. “Ele estava há 7 meses sem tomar banho… muito sujo, comodor muito forte” e segurava em baixo da camiseta “uma sacola com restos de comida estragada”, disseram ao Só Notícia Boa.
Mas isso não impediriam os homens de tentar ajudá-lo. Com paciência e carinho, eles conseguiram convencer Antonio que é esquizofrênico e extremamente arredio a permitir a entrada deles em sua casa a 60 km do posto. Lá, eles dariam um banho nele para que assim ele pudesse fazer a perícia.
A única questão é que nada seria assim tão fácil. “Seu Antonio é agressivo mesmo. Não deixa as pessoas se aproximarem dele. A irmã dele nos contou que pessoas com farda, policial, vigilantes como nós, ele respeita”, disse um dos vigilantes, Ricardo Souza ao Só Notícia Boa.

Assim, vestidos com fardas antigas, eles foram até Querência do Norte onde ele vive e levaram roupas limpas, produtos de higiene, tesoura e máquina para cortar o cabelo do homem de 60 anos de idade.
Porém, não foi só um banho que Antônio ganhou. Ricardo, Fábio Henrique e Ricardo Luiz de Castro cortaram as unhas, os cabelos, fizeram sua barba e até deram um trato em sua casa, a qual é completamente suja por um detalhe: o idoso é também acumulador de lixo.
Para você ter uma ideia, lá tinha material enferrujado, ratos, barata, sapo-boi e até vermes. Mas isso se resolveu num piscar de olhos com a ajuda dos vigilantes. Agora sim Antonio estava bem cuidado: os cabelos limpos e cortados, a barba perfeita, casa limpa… Não havia do que reclamar. “Dias depois ele voltou ao INSS e foi atendido. Voltou com calça jeans, sapato, camiseta por dentro da calça, cinto e foi atendido sim”, lembra Ricardo.
Mas a história, como você deve imaginar, não acaba por aí não. Já são mais de seis meses deste trabalho incrível exercido por cada um destes homens no período de folga. De 30 a 40 dias, eles vão até a casa de Antonio verificar se está tudo ok, prontos para mais um banho, mais um corte de cabelo e assim por diante.
Haja disposição para viajar mais de 60 km, não é mesmo?! Bem, para Ricardo é muito mais do que isso. “A minha alegria e prazer são poder ajudar as pessoas que precisam”, é o que revela o vigilante que trabalha na empresa Master Vigilância, de Loanda, no Paraná e é pai solteiro que também ajuda no aluguel da mãe e não possui um carro.
Realmente um trabalho que só quem tem um coração como o deles é capaz de fazer, não acha?!
Fonte: Best of Web