“Essa criança ter sobrevivido é um milagre”- Diz médico sobre bebê baleado no útero da mãe


Mãe da criança não precisará passar por cirurgia, segundo informações de laudo obtidas pelo G1. Após ser atingido, bebê está paraplégico e tem coágulo na cabeça.

Continua gravíssimo o estado de saúde do bebê Arthur, baleado quando ainda estava dentro da barriga da mãe, Claudinéia dos Santos Melo, na sexta-feira (30), no município de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Segundo o secretário municipal de Saúde, o ginecologista José Carlos Oliveira, o neném estar vivo é um “milagre”.

“O Arthur já é um milagre de Deus. Eu estou percebendo que vai acontecer um outro milagre com esse neném.


Um neném que está dentro da barriga, tomou um tiro que passou no pulmão, na medula, e esse neném não morreu, já aconteceu um milagre”, afirmou ao G1 José Carlos Oliveira, neste domingo (2).

Claudinéia estava grávida de nove meses quando foi atingida por uma bala perdida. A criança nasceu após uma cesariana de emergência. O disparo, que deixou o bebê paraplégico, também arrancou um pedaço da orelha dele e criou um coágulo na cabeça.

“O estado dele é gravíssimo e ele continua no CTI entubado, sendo drenado no tórax do lado direito e esquerdo. Não tem condições de fazer cirurgia agora, tem que melhorar o estado de saúde dele. Ele já fez um transfusão sanguínea também”, explicou o secretário de saúde.

De acordo com o secretário de Saúde, nem o bebê e nem a mãe tem previsão de alta. Claudinéia também continua internada em unidade intermediária sendo observada pela equipe médica.

“As próximas 72 horas vão ser fundamentais pra gente ter uma avaliação do estado dessa mulher. Não esta estável, está sendo observada de perto”, explicou o Dr. José Carlos.

O secretário de Saúde afirmou ainda que a prefeitura está dando toda assistência necessária ao pai e à avó do bebê. A partir de segunda-feira (3), a mãe da criança também receberá um acompanhamento psicológico no hospital.

Mãe não precisará passar por cirurgia

Informações obtidas pelo G1 que constam em laudo de Claudinéia, internada na Unidade de Pacientes Graves do Hospital Moacyr do Carmo, indicam que a mulher não precisará passar por cirurgia.

O setor de Ortopedia da unidade de saúde descartou a necessidade de intervenção cirúrgica após constatar que a mulher fraturou a asa do ilíaco. Além disso, Claudinéia também não tem hemorragia aparente.

É ressaltado também que há “risco de infecção devido ao fato de ser fratura exposta sem tratamento”. O tratamento indicado pelo setor é manter antibiótico venoso por dez dias e, ao longo da semana, Claudinéia será reavaliada com relação à infecção.

Grávida ia ao mercado quando foi baleada

Claudinéia estava grávida de 39 semanas e ia ao mercado quando foi atingida na pelve na Favela do Lixão, no Centro de Duque Caxias.

Ela foi socorrida para o Hospital Municipal Moacyr do Carmo. Os médicos fizeram uma cesariana de emergência e, durante a cirurgia, descobriram que o bebê também estava ferido.

O tiro atravessou o quadril da mãe e atingiu a criança – perfurou os pulmões e provocou uma lesão na coluna. O bebê passou por duas cirurgias e, depois, foi transferido para o Hospital Estadual Adão Pereira Nunes.

Via: Com Café