Será que a distância acaba com o amor? O texto dessa jovem vai te mostrar que não e vai te fazer chorar

A imagem pode conter: 1 pessoa, sentado, bebida, mesa e área interna

Essa é uma foto do Rafa em um dos meus momentos preferidos. O rafa é meu namorado há 3 anos, e há três anos todos os dias ele me mostra um jeito novo de me fazer especial.
O rafa tem muito ciúme de mim, e eu já percebi porque: na cabeça do rafa, eu sou a menina mais linda do mundo. Então pra ele, é óbvio que todos os homens se interessariam por mim, afinal eu sou maravilhosa, inteligente, meu corpo é perfeito, eu sou interessante, divertida. E mesmo sabendo que não é bem assim, é como eu me sinto, porque ele faz questão de me dizer. 

O rafa ia na minha casa todos os dias depois da aula, mesmo nos dias que a aula dele era até às 23h e eu já estava dormindo. Depois eu também descobri porquê: eu era o porto seguro do dia dele, e mesmo que eu estivesse dormindo, ele preferia estar do meu lado. Porque só de estar comigo ele já se sentia melhor independente do que tivesse acontecido durante o dia. Às vezes ele chegava às 11 e já embora às 2, até quando tinha aula no dia seguinte, só pra me fazer dormir e aproveitar o finalzinho do dia comigo. 

Eu nunca contei pro rafa, mas às vezes eu via ele chegar e fingia que estava dormindo, só pra ele mexer no meu cabelo e sentir ele olhando pra mim. Eu não sei se ele sabe, mas o Rafa também sempre foi o porto seguro do meu dia. 
Quando o rafa tava sem dinheiro e queria me fazer uma surpresa, ele pegava escondido as flores da mãe dele, arrumava num buquê e trazia pra mim. Um dia, eu cheguei em casa e tinha um em cima da minha cama. Ele sequer estava lá, só deu uma passadinha pra deixar o buquê e me lembrar como eu era especial pra ele. Às vezes eu tava cansada da faculdade e o rafa saía da casa dele 23h, até a minha, só pra me fazer um café. Muitas vezes esperando ele eu dormia desajeitada no sofá. 

Mas, "milagrosamente", acordava no dia seguinte, confortável, coberta, e com um café do lado. 
Quando voltei de São Paulo dirigindo o rafa sabia que eu ia chegar cansada de madrugada. Resolveu me esperar lá em casa, e como saiu tarde da aula, pra não acordar minha vó, pulou o portão e me esperou no meu quarto. Cheguei um pouco antes do esperado, o rafa tava dormindo. 20 minutos depois o despertador tocou: ele tinha posto pra despertar às 4h da manhã, pra perguntar o que eu queria comer quando chegasse. 

Às vezes eu sequer me arrumava. Pijama desajeitado, cabelo bagunçado, sem maquiagem e super estressada. A primeira coisa que ele falava era: oi amor, tá linda.
Eu e o rafa éramos muito, muito próximos. Quando ele (raramente) não ia pra minha casa, a minha família perguntava, minha vó sentia falta. Quando íamos ao mercado minha avó ia na sessão de sucos naturais, que ninguém na minha casa tomava, só porque o rafa gostava. O rafa chama minha avó de vó, diz que a ama, e pra ela o sentimento é recíproco. Ele conquista todo mundo, é espontâneo, comunicativo, faz amizade com pessoas que eu digo que são importantes pra mim, pra que se tornem importantes pra ele também.

Um dia eu virei pro rafa e disse que em dois meses eu estaria viajando pra morar na Rússia durante seis anos. O primeiro impulso do rafa foi tentar dar um jeito de ficarmos juntos, mas não foi me pedindo pra ficar nem pra desistir do meu sonho. O rafa que quase desistiu do dele. Começou a pesquisar sobre cursos de engenharia, medicina, e todos os outros oferecidos na Rússia, pra tentar ficar comigo. Eu disse que era loucura, que ele não poderia abrir mão dos sonhos dele só porque eu tava seguindo o meu. Mas esse é o rafa: mesmo sendo loucura, se for por nós dois, ele faz. Eu convenci ele a deixar essa história de lado, a terminar o curso dele que depois daríamos um jeito. Que jeito? Não importa, ele topou, porque sabia que a gente ia dar conta. Mesmo tendo que abrir mão da nossa convivência, que nós dois amávamos TANTO, o rafa topou. Mesmo eu tendo tomado essa decisão sozinha, de repente, arriscando mudar tudo, o rafa topou. E mesmo longe, com 6h de diferença do fuso, o rafa se mantém presente. Coloca despertador às 2h da manhã no Brasil pra me dar bom dia às 8h na Rússia. Passa o intervalo da faculdade falando comigo no telefone. Me manda mensagem no intervalo de estudos. O rafa sempre dá um jeito.

Hoje eu acordei feliz pra estudar. Ontem eu saí da aula de bom humor. Anteontem, eu não tive uma crise de ansiedade sequer, mesmo com as provas se aproximando. Tem 10 dias que meu coração só acelera por alegria. Tudo isso porque o rafa tá aqui comigo. Tudo isso porque pela primeira vez depois de 3 meses separados eu soube o que era chegar em casa e ter esse nosso momento de novo: falando besteira, comendo besteira, aproveitando a companhia um do outro e esquecendo o mundo lá fora.
Esquecendo o stress da aula, a saudade de casa, as dificuldades de morar em outro país. Essas coisas boas que só dá pra sentir se você tem um rafa.

Daqui dois dias o rafa tá indo embora. É uma das piores sensações que já tive, e tenho certeza que das dele também. E isso vai se repetir muitas vezes, por muito tempo. E ele tá passando por isso, por esses sacrifícios, pra apoiar o meu sonho e não sair do meu lado. Porque esse é o rafa. Ele tá comigo pra tudo. E é isso que vai continuar me dando forças, mesmo com o Rafa longe, pra seguir com isso aqui. Saber que, do outro lado do mundo, eu tenho o melhor homem do mundo, que me acha a melhor mulher do mundo. E saber que ele tá acreditando em mim faz eu acreditar em mim também.
Que venham os próximos 4 meses e todas as surpresas que ele prepara. Eu vou encarar todas.

Eu e o rafa.

Te amo

via: Facebook